Plantão

Mulher com HIV é curada com novo tratamento



Uma mulher mestiça parece ser a terceira pessoa a ser curada do HIV, usando um novo método de transplante envolvendo sangue do cordão umbilical que abre a possibilidade de curar mais pessoas de diversas origens raciais do que era possível anteriormente, anunciaram cientistas nesta terça-feira.



O sangue do cordão umbilical está mais amplamente disponível do que as células-tronco adultas, normalmente usadas em transplantes de medula óssea, e não precisa ser compatível com o receptor. A maioria dos doadores nos registros é de origem caucasiana, portanto, permitir apenas uma correspondência parcial tem o potencial de curar dezenas de americanos que têm HIV e câncer a cada ano, disseram os cientistas.



A mulher, que também tinha leucemia, recebeu sangue do cordão umbilical para tratar o câncer. O sangue veio de um doador parcialmente compatível, em vez da prática típica de encontrar um doador de medula óssea de raça e etnia semelhantes à do paciente. Ela também recebeu sangue de um parente próximo para dar ao seu corpo defesas imunológicas temporárias enquanto o transplante acontecia.



Os pesquisadores apresentaram alguns dos detalhes do novo caso nesta terça-feira na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas em Denver, Colorado.



O sexo e a origem racial do novo caso marcam um passo significativo no desenvolvimento de uma cura para o HIV, disseram os pesquisadores.



O fato de ela ser mestiça e ser mulher é muito importante cientificamente e muito importante em termos de impacto na comunidade — disse Steven Deeks, especialista em Aids da Universidade da Califórnia, em São Francisco, que não estava envolvido no trabalho.



Acredita-se que a infecção por HIV  progrida de maneira diferente nas mulheres do que nos homens, mas embora as mulheres representem mais da metade dos casos de HIV no mundo, elas representam apenas 11% dos participantes em estudos que buscam a cura.


Entretanto, Deeks não vê a nova abordagem se tornando comum.


Estas são histórias de inspiração para o campo e talvez um caminho — disse ele.


Drogas antirretrovirais poderosas podem controlar o HIV, mas a cura é a chave para acabar com a pandemia de décadas. Em todo o mundo, quase 38 milhões de pessoas vivem com HIV, e cerca de 73% delas estão recebendo tratamento.



Um transplante de medula óssea não é uma opção realista para a maioria dos pacientes. Esses transplantes são altamente invasivos e arriscados, por isso geralmente são oferecidos apenas a pessoas com câncer que esgotaram todas as outras opções.



Houve apenas dois casos conhecidos de cura do HIV até agora. Referido como “O Paciente de Berlim”, Timothy Ray Brown permaneceu livre de vírus por 12 anos, até morrer em 2020 de câncer. Em 2019, outro paciente, mais tarde identificado como Adam Castillejo, foi relatado como curado do HIV, confirmando que o caso de Brown não foi um acaso.



Ambos os homens receberam transplantes de medula óssea de doadores que carregavam uma mutação que bloqueia o HIV. infecção. A mutação foi identificada em apenas cerca de 20.000 doadores, a maioria dos quais são descendentes do norte da Europa.



Nos casos anteriores, quando os transplantes de medula óssea substituíram todo o seu sistema imunológico, os dois homens sofreram efeitos colaterais graves, incluindo a doença do enxerto contra o hospedeiro, uma condição na qual as células do doador atacam o corpo do receptor. Brown quase morreu após seu transplante. O tratamento de Castillejo foi menos intenso, mas no ano seguinte ao transplante, ele perdeu quase 70 quilos, desenvolveu perda auditiva e sobreviveu a múltiplas infecções, segundo seus médicos.



Por outro lado, a mulher no último caso deixou o hospital no dia 17 após o transplante e não desenvolveu doença do enxerto versus hospedeiro, disse JingMei Hsu, médico do paciente na Weill Cornell Medicine. A combinação de sangue do cordão umbilical e células de seu parente pode tê-la poupado de muitos dos efeitos colaterais brutais de um transplante de medula óssea típico, disse Hsu.



Pensava-se anteriormente que a doença do enxerto contra o hospedeiro poderia ser uma razão importante para a cura do HIV nos casos anteriores — disse Sharon Lewin, presidente eleita da International Aids Society, que não esteve envolvida no trabalho. Os novos resultados dissipam essa ideia, disse Lewin.



A mulher, que já passou da meia-idade (ela não quis revelar sua idade exata por questões de privacidade), foi diagnosticada com HIV em junho de 2013. Os medicamentos antirretrovirais mantiveram seus níveis de vírus baixos. Em março de 2017, ela foi diagnosticada com leucemia mielóide aguda.



Em agosto daquele ano, ela recebeu sangue do cordão umbilical de um doador com a mutação que bloqueia a entrada do HIV nas células. Mas pode levar cerca de seis semanas para que as células do sangue do cordão umbilical sejam enxertadas, então ela também recebeu células-tronco sanguíneas parcialmente compatíveis de um parente de primeiro grau.


O Globo

Nenhum comentário: