Plantão

Entidades judaicas criticam Monark, após se declarar à favor da existência de um partido nazista no Brasil



Organizações judaicas criticaram Monark, apresentador do Flow Podcast, por defender a existência de um partido nazista no Brasil que fosse reconhecido legalmente no Brasil.



O comentário de Bruno Aiub, conhecido como Monark, foi feito no podcast desta segunda (7), no qual participavam Kim Kataguiri (Podemos) e Tabata Amaral (PSB).



O Flow é um dos podcasts com maior audiência do Brasil e tem 3,6 milhões de inscritos só no YouTube. Ele foi criado por Monark e por Igor Coelho (Igor 3K). O podcast já perdeu patrocinadores e Monark foi muito criticado após questionar no Twitter se "ter opinião racista é crime" em 2021.



Nesta terça-feira, Monark disse: "A esquerda radical tem muito mais espaço do que a direita radical, na minha opinião. As duas tinham que ter espaço. Eu sou mais louco que todos vocês. Eu acho que o nazista tinha que ter o partido nazista, reconhecido pela lei".



Tabata rebateu o comentário de Monark ao falar que a "liberdade de expressão termina onde a sua expressão coloca em risco a vida do outro".



"O nazismo é contra a população judaica e isso coloca uma população inteira em risco", afirmou a parlamentar.



Além da forte repercussão nas redes sociais, organizações judaicas, como a Confederação Israelita do Brasil e Federação Israelita de São Paulo, repudiaram os comentários de Monark.



"A CONIB (Confederação Israelita do Brasil) condena de forma veeemente a defesa da existência de um partido nazista no Brasil e o “direito de ser antijudeu”, feita pelo apresentador Monark, do Flow Podcast. O nazismo prega a supremacia racial e o extermínio de grupos que considera 'inferiores'", diz uma das notas.



Já a Federação Israelita Paulista descreveu como "absolutamente inaceitável" a manifestação de Monark.



"Nós, da Federação Israelita do Estado de São Paulo, repudiamos de forma veemente esse discurso e reiteramos nosso compromisso em combater ideias que coloquem em risco qualquer minoria".


CONIB - Confederação Israelita do Brasil


"A CONIB (Confederação Israelita do Brasil) condena de forma veeemente a defesa da existência de um partido nazista no Brasil e o “direito de ser antijudeu”, feita pelo apresentador Monark, do Flow Podcast. O nazismo prega a supremacia racial e o extermínio de grupos que considera “inferiores”. Sob a liderança de Hitler, o nazismo comandou uma máquina de extermínio no coração da Europa que matou 6 milhões de judeus inocentes e também homossexuais, ciganos e outras minorias. O discurso de ódio e a defesa do discurso de ódio trazem consequências terríveis para a humanidade, e o nazismo é sua maior evidência histórica."


Federação Israelita SP


"Na noite dessa segunda-feira (7), o host do “Flow Podcast”, Bruno Aiub, o Monark, manifestou-se de modo absolutamente inaceitável enquanto entrevistava os deputados federais Kim Kataguiri e Tábata Amaral. Aiub defendeu, de forma expressa, o direito de alguém querer ser anti-judeu, bem como o direito à existência de um partido nazista no Brasil.



Mesmo contestado pela deputada Tábata Amaral, Monark insistiu que suas falas estariam escudadas no princípio da liberdade de expressão, demonstrando, a um só tempo, desconhecer a história do povo judeu, e a natureza de um princípio constitucional essencial, muitas vezes deturpado por aqueles que insistem em propagar um discurso que incita o ódio contra minorias.



Nós, da Federação Israelita do Estado de São Paulo, repudiamos de forma veemente esse discurso e reiteramos nosso compromisso em combater ideias que coloquem em risco qualquer minoria. Manifestações como essa evidenciam o grau de descomprometimento do youtuber com a democracia e os direitos humanos".


Resposta de Monark


Após a repercussão negativa de sua fala, Monark publicou um vídeo no Instagram dizendo que ela foi tirada de contexto e que ele considera o nazismo abominável.



Monark argumentou no vídeo que defende a liberdade de expressão para "saber quem é idiota para que a gente possa ou educar essa pessoa, se for possível afastar essa pessoa e, se ela estiver cometendo um crime, punir essa pessoa". 



"É muito mais fácil descobrir quem ela é se a gente deixa ela falar", ele argumentou. Ele também se disse vítima da "cultura do cancelamento".


Da Redação com G1

Nenhum comentário: