Plantão

segunda-feira, 15 de março de 2021

Primeira cidade a vacinar em massa encerra aplicação da 1ª dose da CoronaVac

Primeira cidade a vacinar os moradores em massa contra a covid-19, Serrana (SP) encerrou nesse domingo (14.mar.2021) etapa de imunização. A população participa de estudo clínico do Instituto Butantan para medir a eficácia da CoronaVac, vacina desenvolvida pela chinesa Sinovac, contra a disseminação do novo coronavírus.

Foram vacinados 97,3% do público-alvo. Segundo balanço divulgado pelo instituto, 27.619 pessoas das 28.380 inscritas receberam a 1º dose da vacina nas últimas em 4 semanas.

A cidade, de aproximadamente 45.600 habitantes, foi dividida em 4 regiões de vacinação (verde, amarela, cinza e azul). Na quarta-feira (17.mar), a pesquisa entra em uma nova etapa, quando a população começa a receber a 2ª dose da vacina. O cronograma seguirá o processo da 1ª dose, começando pelos moradores da região verde e passando para as regiões amarela, cinza e azul.

Segundo o Instituto Butantan, as primeiras conclusões da pesquisa devem começar a ser divulgadas cerca de 1 mês depois do encerramento da aplicação da 2ª dose, ou seja, 3 meses depois do início do estudo clínico. Como a vacinação em massa começou em 17 de fevereiro, os resultados devem sair em meados de maio.

Imunização em massa

Diferentemente do restante do país, onde o plano de vacinação imuniza primeiro os grupos prioritários, em Serrana, toda a população adulta está recebendo a CoronaVac ao mesmo tempo. O município foi escolhido por reunir 3 condições: número adequado de habitantes para a pesquisa clínica, alta taxa de infecção e proximidade a um centro de pesquisa, em Ribeirão Preto.

A pesquisa avaliará a eficiência da CoronaVac na diminuição da taxa de transmissão do coronavírus na cidade. Entre os efeitos que serão analisados está a imunidade de rebanho.

A adesão ao estudo clínico foi voluntária. Todo morador com mais de 18 anos estava apto a ser vacinado, com exceção das grávidas, das lactantes e de pessoas com contraindicação médica.

 

informações da Agência Brasil

Nenhum comentário: