Últimas Notícias

quinta-feira, 25 de abril de 2019

Esposa é condenada a 20 anos de prisão por mandar matar marido, conhecido como ‘Rei do Lixo’, na Paraíba

A esposa acusada de mandar matar o empresário, do ramo de reciclagem, conhecido como o “Rei do Lixo”, Adiene Afra Tavares Rocha, foi condenada a 20 anos de prisão, em regime fechado, por homicídio qualificado pelo assassinato do marido em outubro de 2011 por 4 votos a 3. Ela já está na Penitenciária Feminina de Campina Grande. Além de Adiene, outros dois participantes do crime já foram condenados e estão em presídios de João Pessoa.

O julgamento aconteceu nessa terça-feira (23), no Fórum em Cruz do Espírito Santo. A sentença foi do juiz Eduardo Barros, que decretou a prisão dela em virtude da condenação e a encaminhou de imediato ao presídio para dar início do cumprimento da pena. O juiz recusou a possibilidade dela apelar da condenação em liberdade. O assistente de acusação foi do advogado e doutor em Direito Penal, Rômulo Palitot.
“Adiene Afra foi qualificada no processo por homicídio qualificado com impossibilidade de defesa. A pena foi justa por te sido considerado um crime hediondo”, comentou o criminalista.
Em novembro do ano passado, já tinha sido julgado e condenado Renato Oliveira de Sousa, funcionário e indicado como mandante do homicídio e Walter Oliveira Dias, indicado como executor do crime. Cada um deles foi condenado a 20 anos de prisão em regime fechado.
O empresário do ramo de reciclagem Sebastião Cirilo da Rocha, conhecido como ‘Rei do Lixo’, tinha 47 anos na época em que foi morto com três tiros, em outubro de 2011. O crime aconteceu no lixão da cidade de Cruz do Espírito Santo, na Zona da Mata paraibana.
Condenados
O juiz considerou que Renato Oliveira de Sousa, que era funcionário do ‘Rei do Lixo’ e foi apontado como amante de Adiene Afra, deveria ter considerado a culpabilidade na maior gravidade, já que teria agido em conluio com a amante e considerava-se amigo da vítima. Ele também teria cometido o crime sabendo que a esposa da vítima, e sua amante, receberia valores do seguro de vida e herança do empresário. Também foi considerado nos autos que Renato não contribuiu para o crime, pois estava no ambiente de trabalho.
Já em relação a Walter de Oliveira Dias, indiciado como executor do crime, o juiz considerou que a culpabilidade dele deve ser considerada de maior gravidade pois assassinou o empresário sem que sequer o conhecesse, agindo somente para atender acordo feito previamente com Renato, que era seu primo.
Walter também teve sua pena calculada em 20 anos de prisão inicialmente em regime fechado.
pbhoje

Comente aqui com o Facebook: