Últimas Notícias

Veja as Manchetes!

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Sangue é encontrado em seringas perto do Parque do Povo, em CG

Um homem foi detido na madrugada desse domingo (17), durante o São João 2018 de Campina Grande, com quatro seringas com sangue em uma rua paralela ao Parque do Povo. Ele foi ouvido e liberado. O delegado Henry Fábio, que está investigando os casos, informou que o sangue encontrado é limpo e não foi constatado nenhuma doença no material examinado. A  informação foi divulgada no Programa Correio Verdade, TV Correio.

“O sangue é limpo livre de qualquer doença infecciosa e estava diluído em soro fisiológico. Agora a perícia para um exame de DNA que vai constatar se o sangue é humano ou animal.

A pessoa que foi detida e conduzida à Central de Polícia Civil de Campina Grande foi ouvida pelo delegado e liberada em seguida. Segundo Henry Fábio, o homem explicou que estava indo para o Parque do Povo e não tinha nenhuma ligação com as seringas encontradas.

Até as 7h desta segunda-feira (18), 38 pessoas foram atendidas no Hospital de Trauma de Campina Grande após relatarem ter sido vítimas de ferimentos por objetos semelhantes a agulha, sendo 33 no Parque do Povo e cinco em um bloco junino que aconteceu no dia 2 de junho. São 24 homens e 14 mulheres. Desde o dia 11 de junho o hospital recebe pessoas que apresentam os mesmos relatos de ferimentos por agulhas.


‘Agulhadas’ no São João 2018 de Campina Grande

Até esta segunda-feira, 38 pessoas feridas por agulhas no São João de Campina Grande deram entrada ao Hospital de Trauma de Campina Grande, desde o dia 11 de junho. As vítimas afirmaram que foram furadas durante os shows no Parque do Povo e em um bloco junino no dia 2 de junho. A Polícia Civil abriu investigação sobre o caso e ouviu pelo menos 16 vítimas até a sexta-feira (15).

De acordo com a infectologista Priscila de Sá, os pacientes contaram que sentiram as furadas foram ao hospital em busca de ajuda. Segundo o Trauma, o número aumentou devido à repercussão dos primeiros casos divulgados.

Priscila de Sá, médica do Hospital de Trauma, informou que, após o atendimento, a equipe de saúde confirmou que havia marcas de agulhadas no corpo das vítimas, mas que ainda não há como saber se o instrumento utilizado estava com alguma contaminação ou não.



G1

Comente aqui com o Facebook: