Últimas Notícias

Veja as Manchetes!

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Ministério Público responsabiliza ex-vereador como chefe do esquema no IPM/JP

O Ministério Público da Paraíba denunciou formalmente, na última sexta-feira (1), os acusados de terem participação no esquema de corrupção instalado no Instituto de Previdência do Município de João Pessoa, desviando de R$ 25 a R$ 30 milhões de recursos públicos. 

Na peça acusatória, os promotores citaram o vereador falecido Pedro Alberto Coutinho como sendo o líder da organização criminosa.


A organização seria formada por vários núcleos. O da “Família Coutinho”, citada como a principal do esquema, era formada pelo vereador falecido, seus filhos e Carlos Alberto de Araújo Coutinho, irmão de Pedro, que teria o sucedido após a sua morte. Seria responsável pela nomeação de pessoas de confiança para serem utilizadas nos desvios de recursos.

Outros núcleos eram responsáveis por operacionalizar o esquema, inserir dados fraudulentos nos bancos de dados do IPM/JP, repassar empréstimos e acobertar imóveis dos Coutinho, arregimentar pessoas para servirem de laranjas e servidores fantasmas e por beneficiários que repassavam o dinheiro para ser rateado entre os membros da quadrilha.

A peça assinada pelos promotores de Justiça Octávio Celso Gondim Paulo Neto, Romualdo Tadeu de Araújo Dias e Manoel Cacimiro Neto e enviada ao Juízo da 6ª Vara Criminal de João Pessoa pede a exoneração dos cargos dos envolvidos no esquema, o reembolso de R$ 24 milhões a título de danos morais coletivo e que os denunciados, se comprovados a culpabilidade, que sejam condenados pelos crimes previstos por lei.

A operação ‘Parcela Débito’ desencadeada no último dia 24 de agosto pela Polícia Civil e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba (MPPB) prendeu 19 pessoas (uma permanece foragida). Dessas, apenas uma cumpre prisão domiciliar, por se tratar de uma mulher grávida. Os outros, com exceção dos que possuem curso superior, estão em presídios comuns da capital.



Por Feliphe Rojas

Comente aqui com o Facebook: