Últimas Notícias

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Paraíba já teria pelo menos 10 casos do "jogo" de automutilação e morte 'Baleia Azul'

A Paraíba já contabiliza pelo menos dez casos de participação de jovens no desafio ‘Baleia Azul’, no qual os participantes praticam automutilação e são coagidos a cometerem suicídios. 

Em um dos casos, uma jovem de 14 anos, estudante de uma escola do Centro de João Pessoa, cortou os braços e subiu no teto da escola para cumprir desafios do ‘jogo’.

As informações sobre o ‘Baleia Azul’ foram repassadas ao Portal Correio pelo tenente-coronel Arnaldo Sobrinho, que é coordenador do Centro Integrado de Operações Policiais em João Pessoa (Ciop) e coordenador-executivo do escritório brasileiro da Associação Internacional de Prevenção ao Crime Cibernético.


Segundo o tenente-coronel, o caso da adolescente de João Pessoa foi descoberto pelos familiares após eles ligarem o fato registrado na escola ao desafio.

“Dias após o problema da menina na escola, um familiar da jovem viu o alerta sobre o jogo e ligou o registro ao desafio. A família da jovem nos procurou e relatou todo o ocorrido, afirmando que a menina cortou os braços e subiu no teto da escola para cumprir etapas do jogo. Ao ligarem os eventos, os familiares quebraram o celular da menina. Agora, ela passa por acompanhamento psicológico”, afirmou o tenente-coronel.

Casos na Paraíba

Em um levantamento ainda preliminar, o tenente-coronel citou que o estado já contabiliza pelo menos dez casos registrados de participação de jovens no desafio ‘Baleia Azul’. Porém, o número pode ser ainda maior, já que familiares das vítimas podem não estar procurando o polícia para passar informações.

“Acreditamos que esse desafio vem sendo praticado há pelo menos um mês na Paraíba e que o número de casos deve ser bem maior. Em Guarabira, temos relato de uma pessoa que participou do jogo e chegou ao nível 10. Também recebi informes de uma aluna minha, do curso de Direito, que foi incluída sem consentimento em um grupo de participantes do desafio. Esse grupo tinha pessoas de todo o Brasil e contava com 200 participantes”, relatou o coordenador do Ciop.

O tenente-coronel Arnaldo Sobrinho também afirmou ao Portal Correio que existem indícios de que menores estariam agindo como ‘curadores’ do desafio, aliciando e ameaçando participantes. 

“Estamos realizando um apanhado de informações e relatos sobre casos no estado e iremos confeccionar um relatório para as policiais Civil e Federal para que elas possam receber informes detalhados e tomar providências quanto à investigação desse crime. Esse relatório também irá para a Associação Internacional de Prevenção ao Crime Cibernético”, contou o policial.

Pais precisam estar atentos

O tenente-coronel voltou a afirmar que os pais precisam estar atentos a atitudes dos filhos para que possam perceber diferenças comportamentais.

“Os pais devem obedecer cinco requisitos: observar o comportamento; perceber alterações de rotina; devem estabelecer diálogo com os jovens; prestar assistência e apoio; e, especialmente, colocar novos projetos para esses jovens. É fundamental que os pais tenham total atenção aos filhos para evitar que eles participem desse desafio”, concluiu o tenente-coronel.




Por Halan Azevedo

Comente aqui com o Facebook: