Últimas Notícias

Veja as Manchetes!

sábado, 8 de abril de 2017

Humorista Cristovam Tadeu é encontrado morto em seu apartamento, na Capital

O humorista Cristovam Tadeu  foi encontrado morto em seu apartamento, na manhã deste sábado (8), no Centro de João Pessoa. A suspeita é que Tadeu tenha sofrido uma parada cardíaca.

A triste notícia foi confirmada pela diretora da PBTur e amiga do humorista, Ruth Avelino. Bastante abalada, Ruth escreveu em suas redes sociais:

“É com muita tristeza que aviso a todos que meu amigo/irmão e compadre Cristovam Tadeu faleceu. Teve uma parada cardíaca. Meu Deus recebe meu amigo e acalenta sua alma. Pai consola a família dele e o meu coração! Vai com Deus Tio!!!!!”.


O velório de Cristovam Tadeu, que também era diretor de programação da Rádio Tabajara,  será na Central de Velório São João Batista, na Capital paraibana.

Histórico – Chargista, ilustrador e imitador, Cristovam Tadeu começou como ator de teatro em 1980 e já em 82, aos 20 anos, fazia seu primeiro show de humor chamado “Prá Morrer de Rir”. Em 86 iniciou o projeto de humor em bar se apresentando e lançando novos talentos no famoso Bar Travessia.

Atuou em dezenas de peças de teatro, escreveu e dirigiu dois espetáculos de grande sucesso (Vovô Viu a Uva e Vovó Viu a Ave), fez cinema (24 h e Marcus Villar e Por 30 Dinheiros de Vânia Perazzo e Ivan Herbalov) e na TV, além de ter feito centenas de comerciais, escreveu, dirigiu e produziu o primeiro programa de humor da Paraíba chamado ”Sábado de Graça”.

Em 1989, em São Paulo, fez parte do elenco do programa Só Riso, na Rede Band ao lado de Costinha, Zé Vasconcelos, Lilico, Zé Bonitinho e participou durante anos do programa Show do Tom, na Rede Record, como Gaetano Velhoso.

Em 2015, o humorista chegou a anunciar que iria encerrar a  carreira após o término do projeto “Movimento Humorial”, no qual interpretava  o poeta paraibano Ariano Suassuna, depois de estudá-lo por cerca de 18 anos. Tadeu revelou na época que queria se dedicar a projetos pessoais e cuidar dos filhos.



Por Roberto Targino

Comente aqui com o Facebook: