Plantão

Compre no AMAZON, o Site mais seguro mundo!

Os Melhores Preços no AMAZON

16 abril 2021

Médicos sem Fronteiras classificam situação no Brasil como 'catástrofe humanitária'

Os Médicos Sem Fronteiras divulgaram comunicado nesta quinta-feira (15) classificando a situação no Brasil como uma "catástrofe humanitária" decorrente do descontrole da pandemia da Covid-19 no país.

Segundo o comunicado da organização internacional, mais de 12 meses após o início da pandemia, ainda não existe uma ação eficiente de saúde pública no Brasil para combater e prevenir a Covid-19.

"A falta de vontade política para responder de forma adequada à pandemia está matando milhares de brasileiros. Os Médicos Sem Fronteiras fazem um apelo urgente às autoridades brasileiras para que reconheçam a gravidade da crise e implementem um sistema coordenado para impedir mais mortes evitáveis."

Em entrevista na manhã de quinta-feira (15), Meinie Nicolai, diretora-geral dos MSF, advertiu que a vacinação, sozinha, não será suficiente para conter a pandemia no Brasil. "O ritmo de vacinação não é rápido o suficiente para cobrir os 80% da população brasileira que ainda são suscetíveis ao vírus (não foram vacinados e não pegaram covid). Se não houver mudanças nas medidas de saúde pública (distanciamento social, restrição de movimentos e uso de máscaras), a situação em julho será ainda mais catastrófica", disse Nicolai.

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF) atuam em conflitos armados, epidemias, desastres naturais e desnutrição em alguns dos países mais pobres do mundo e a entidade recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1999.

No Brasil, a pandemia de Covid-19 matou 362 mil pessoas e infectou 13,7 milhões. É o segundo maior número de mortes do mundo -só perde para os EUA (563 mil). Mas, enquanto a pandemia está em desaceleração nos EUA, onde o número diário de mortes está abaixo de 1 mil, o Brasil registrou uma média móvel de 3.012 mortes por dia, a maior do mundo.

"O governo federal praticamente se recusa a adotar diretrizes de saúde pública baseadas em evidências científicas, e resta às dedicadas equipes médicas brasileiras cuidar das pessoas em estado muito grave em UTIs e improvisar soluções quando não há leitos disponíveis", diz Christos Christou, presidente internacional dos MSF. "Isso deixou o Brasil em um estado permanente de luto e levou o sistema de saúde pública brasileiro ao colapso iminente."

O comunicado cita que, na semana passada, o Brasil respondeu por 11% de todas as infecções de Covid e 26,2% de todas as mortes no mundo. "Esses números estarrecedores são uma prova clara do fracasso das autoridades para administrar a crise humanitária no país e proteger os brasileiros, especialmente os mais vulneráveis."

"A devastação que as equipes de MSF testemunharam primeiro na região do Amazonas agora se tornou realidade na maior parte do Brasil", disse Pierre Van Heddegem, coordenador do programa de emergência de Covid-19 dos MSF no Brasil.

No país, equipes dos MSF trabalharam em abrigos de população sem teto, e em 50 unidades de saúde em oito estados. No momento, estão atuando em Rondônia, em Roraima e no Amazonas.

De acordo com Nicolai, a diretora-geral dos MSF, a resposta à Covid-19 no Brasil precisa começar nas comunidades, e não nas UTIs. "Além de garantir que oxigênio, sedativos e equipamentos de proteção individual (EPI) cheguem aonde são necessários, é preciso que, nas comunidades, as pessoas usem máscaras, façam distanciamento social, sigam medidas rígidas de higiene e restrinjam todos os deslocamentos não essenciais", diz Nicolai.

O comunicado relata que, em hospitais ao redor do Brasil, há falta de oxigênio e de sedativos necessários para intubar pacientes graves.

De acordo com Antonio Flores, médico brasileiro que trabalhou no norte do país com os MSF, a mortalidade em UTIs no Brasil fica, em média, em 80%, diante de 50% da média mundial, segundo estudos. "Isso ocorre porque não há estratégia para controlar a disseminação do vírus. As pessoas chegam aos hospitais muito doentes, os hospitais estão sobrecarregados, não há um número suficiente de profissionais médicos treinados, a qualidade do atendimento piora", diz.

A organização ressalta o papel da "avassaladora quantidade" de desinformação no agravamento da pandemia no Brasil.

"Máscaras, distanciamento social e a restrição de deslocamentos são rejeitados e ganham contornos políticos. Além disso, políticos promovem hidroxicloroquina e ivermectina como panaceias para a Covid, e os medicamentos são prescritos como tratamento e prevenção da doença", diz o comunicado, que também aponta a lentidão da vacinação no país. Segundo Christou, o Brasil é o único país onde se receita o "kit covid", com hidroxicloroquina e ivermectina, que não têm comprovação científica.

No Brasil, 15,5% da população foi vacinada com a primeira dose, e apenas 5% com as duas doses. Em Israel, são 61% com a primeira dose; no Reino Unido, 47,5%; no Chile são 40%, e nos EUA, 36,5%.


FOLHAPRESS

Nenhum comentário: