Últimas Notícias

Avião com insumos para produção de 8,6 milhões de doses da vacina CoronaVac chega ao Brasil

Chegou ao Brasil, na noite desta quarta-feira (3), o avião transportando 5,4 mil litros de insumos para produção da CoronaVac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. As doses chegaram no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), às 23h46, em um voo da China.

Além das equipes do aeroporto, a Receita Federal, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Polícia Federal participaram da operação para liberação da carga.

O material deve deixar o terminal com destino a São Paulo às 10h desta quinta (4).

Aeronave decolou de Pequim, na China, com 5,4 mil litros de matéria-prima para a produção da vacina no Instituto Butantan e chegou ao Aeroporto Internacional de Viracopos na noite desta quarta-feira (3).

O desembarque contou com a presença do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), do secretário de Saúde do estado, Jean Gorinchteyn, e do diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.

'Não pararemos'

Após a chegada dos insumos, Dimas Covas comentou o planejamento para recebimento de novas remessas. "Vão chegar mais insumos na semana que vem, no dia 10, e até o final do mês esperamos mais 10 mil litros. Então não pararemos até entregar todo o quantitativo de 100 milhões de doses, que deve ser até agosto, começo de setembro".

"É uma satisfação enorme ajudar o país nesse momento. Vamos ter, obviamente, algumas dificuldades por esse caminho, mas vamos trabalhar para que essas vacinas sejam disponibilizadas o mais rápido possível", garantiu o diretor do Instituto Butantan.

"Nós torcemos e pedimos para que mais vacinas sejam disponibilizadas para atender mais brasileiros em todo Brasil. Quanto mais rápido vacinarmos, mais rápido sairemos da crise, mais rápido a economia retoma", disse o governador João Doria.

Produção do imunizante

Esse é o primeiro lote de insumos que o Butantan recebe neste ano. O instituto afirma que, com a matéria-prima, produzirá, em 20 dias, cerca de 8,6 milhões de doses do imunizante, que serão envasadas, embaladas e rotuladas na capital.

De acordo com o Butantan, as vacinas produzidas a partir desse lote de matéria-prima começarão a ser entregues ao Ministério da Saúde no próximo dia 25. Em coletiva de imprensa na semana passada, o diretor do instituto disse que outros 5,6 mil litros estão em processo "avançado de liberação" pelo governo chinês e devem chegar até a próxima quarta (10).

A previsão do Butantan é receber, até abril, o total de insumos necessários para produção das 46 milhões de doses contratadas. Desse total, seis milhões foram importadas prontas da China.

Doses adicionais

Após confirmação do governo federal, o instituto informou que segue em negociação para o recebimento de mais oito mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), a fim de cumprir o contrato com o Ministério da Saúde e produzir 54 milhões de doses adicionais da CoronaVac.

A resposta do governo federal ocorreu após questionamento do Butantan, que chegou a dizer que, se o governo não se manifestasse, negociaria diretamente com estados e municípios. O diretor do instituto, Dimas Covas, afirmou ainda que o lote poderia ser exportado para países que já manifestaram interesse na compra.

Eficácia da vacina
Os testes no Brasil, conduzidos pelo Instituto Butantan, apontaram uma eficácia de 50,38% da CoronaVac. Além disso, a vacina tem eficácia de 78% para casos leves, que exigem algum cuidado médico, e nenhum dos vacinados ficou em estado grave, foi internado ou morreu.

Eficácia de 78% para a CoronaVac é excelente, avaliam especialistas

O imunizante teve 91,25% de eficácia em uma análise preliminar dos resultados na Turquia e 65,3% na Indonésia. Ao justificar as diferentes taxas de eficácia, a farmacêutica chinesa afirmou que os países usaram vacinas do mesmo lote em seus estudos, mas os protocolos de teste não eram idênticos.


G1

Comente aqui com o Facebook: