Últimas Notícias

Bolsonaro diz que Alcolumbre poderá escolher o ministério que quiser em 2021

O presidente Jair Bolsonaro prometeu ao senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) uma vaga na Esplanada em 2021. O atual presidente do Senado, que deixa o posto em 1º de fevereiro, poderá escolher a pasta que desejar.

Presidente Jair Bolsonaro e o senador Davi Alcolumbre no Palácio da Alvorada. Devem escolher juntos o sucessor do amapaense para a presidência do Senado© Sérgio Lima/Poder360 Presidente Jair Bolsonaro e o senador Davi Alcolumbre no Palácio da Alvorada. Devem escolher juntos o sucessor do amapaense para a presidência do Senado.

Aliados de Alcolumbre entendem que ele deve pedir para ser articulador político de Bolsonaro, função hoje desempenhada pelo general Luiz Eduardo Ramos, que é ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, com sala no 4º andar do Palácio do Planalto.

Até o final de janeiro, Alcolumbre está comissionado para ajudar a coordenar a escolha de um candidato a presidente do Senado pelos próximos 2 anos. A eleição é em 1º de fevereiro.

Por enquanto, Alcolumbre trabalha para eleger o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que é a aposta demista para, em 2022, ser candidato ao governo de Minas Gerais. A escolha de Pacheco atende muito mais ao DEM do que apenas aos interesses do Planalto.

O DEM teve desempenho positivo nas eleições de prefeitos e vereadores neste ano de 2020. Pretende ampliar sua bancada de deputados federais (hoje de apenas 28 de 513 cadeiras) e de senadores (só 5 de 81 vagas) em 2022. Mas também mira 3 grandes disputas por governos estaduais: 1) Minas Gerais, com Pacheco; 2) Bahia, com ACM Neto (atual prefeito de Salvador, e prestes a deixar a cadeira); e 3) São Paulo, com o atual vice-governador, Rodrigo Garcia, que vai assumir o Palácio dos Bandeirantes quando João Doria deixar o cargo para concorrer ao Planalto, em 2022.

Na 4ª feira (16.dez.2020) à noite, houve uma reunião de caciques do Senado para discutir esses cenários. Foi ali que todos incentivaram Alcolumbre a aceitar o convite de Bolsonaro, sobretudo se puder ser nomeado novo articulador político do Planalto.

A visão geral dos senadores mais influentes é que o general Ramos tem sido uma pessoa lhana no trato e muito cordato, mas que esse tipo de operação precisa ser comandada por alguém que seja “da política”. A dúvida é se o presidente da República estará realmente disposto a abrir mão de um amigo desde o tempo em que foi cadete na Academia das Agulhas Negras, nos anos 1970.

A solução seria deslocar Ramos da Secretaria de Governo para a Secretaria Geral, que vai ficar vaga em janeiro, quando o atual titular, Jorge Oliveira, vai ocupar uma vaga de ministro do Tribunal de Contas da União.

Presidência do Senado

Há um movimento dentro do governo que começa a enxergar óbices no reforço excessivo do DEM com a eventual eleição de Rodrigo Pacheco para presidir o Senado.

O DEM, legenda de centro (ou centro-direita, para alguns) é visto como um aliado natural de João Doria (PSDB) na disputa presidencial de 2022. Se os demistas ficarem muito fortes agora, Bolsonaro pode estar alimentando uma coluna do exército que terá contra si daqui a 2 anos.


Voltou a ser pensada a possibilidade de o MDB, maior partido do Senado (embora com apenas 13 de 81 cadeiras), talvez possa ser uma opção mais neutra para o Planalto. Outra possibilidade é tentar buscar algum candidato para suceder Alcolumbre de partidos do “Centrão de raiz” ou de siglas que possam se aliar a Bolsonaro em 2022.

O Poder360 apurou que o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) é um dos que começam a pensar dessa forma. A postulação de Rodrigo Pacheco perdeu um pouco de força.

O fato é que a decisão sobre essa disputa só será conhecida nos últimos dias de janeiro de 2021. Até lá, haverá muita articulação de bastidores. A maior dúvida seguirá sendo sobre se o MDB conseguirá de alguma forma ter coesão para ter realmente um nome consensual da legenda para disputar o comando do Senado.

Nesta 4ª feira (16.dez), representantes do partido se reuniram e anunciaram que terá um único nome. A promessa foi recebida com desconfiança por alguns senadores, principalmente os mais ligados a Alcolumbre.

O fato é que a partir do acordo, os 4 nomes postulantes dentro da sigla, Eduardo Braga (AM), Eduardo Gomes (TO), Fernando Bezerra (PE) e Simone Tebet (MS), começam suas próprias campanhas para tentar angariar os 41 votos necessários para se tornar presidente do Senado.

Saem já com 13 votos, por serem da maior bancada da Casa, se conseguirem angariar apoios de grandes partidos que estão indecisos como o PSD, que tem 12 senadores, o Podemos, que tem 10 votos (e resistência a estar ao lado de Bolsonaro), o PP e o PSDB, com 7 votos cada (podem se cacifar e atrair a atenção do Planalto).

Outro player decisivo na tentativa de alcançar a quantidade de votos necessária é a oposição. Os partidos do bloco irão se reunir em 23 de dezembro para fechar a quem darão apoio na eleição. Reunirão-se PT, Rede, Cidadania, PSB e PDT. Juntos, têm 15 votos.

A ideia é ter posição única, o que é difícil de acontecer já que dentro da oposição há senadores que já prometeram apoio ao candidato de Alcolumbre. O PT, por exemplo, que é a maior bancada desse grupo com 6 senadores, cogita seguir com Pacheco apesar de ainda não ter anunciado posicionamento oficial.

REFORMA MINISTERIAL

Além da possível entrada de Davi Alcolumbre na Esplanada dos Ministérios, o Centrão também tem a promessa de receber uma vaga no 1º escalão de Jair Bolsonaro –como já noticiou o Drive na edição de 4ª feira (16.dez.2020), a newsletter exclusiva para assinantes e produzida pela equipe do jornal digital Poder360.

O mais provável é que o escolhido seja o deputado federal Marcos Pereira (Republicanos-SP). Pereira é presidente nacional de seu partido e acaba de aderir à candidatura de Arthur Lira (PP-AL) para presidente da Câmara.

A pasta pensada para Pereira é a Cidadania, hoje ocupada por Onyx Lorenzoni, que é deputado federal pelo DEM do Rio Grande do Sul. Lorenzoni pretende ser candidato a governador gaúcho em 2022 e já voltaria para a Câmara para ir preparando sua campanha.

Comente aqui com o Facebook: