Plantão

domingo, 14 de março de 2021

Criança de 3 anos morre de Covid-19 enquanto aguardava leito de UTI

Uma criança de três anos morreu de complicações da Covid-19 na madrugada desta quarta-feira (10) em Alumínio, cidade a 82 km São Paulo. Bernardo José Rivera esperava uma vaga na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) para tratamento da doença.

De acordo com a família, a criança tinha a saúde debilitada devido a sequelas de um afogamento que aconteceu em 17 setembro de 2020, quando o menino caiu na piscina da própria residência. Devido à gravidade do acidente, Bernardo ficou três meses internado em coma e atualmente tinha uma traqueostomia.

“Ele tinha uma saúde frágil por causa do acidente, mas vinha se recuperando muito bem. Estava forte, fazendo fisioterapia e melhorando dia a dia, mas sabíamos que qualquer infecção poderia ser perigosa para ele”, contou ao UOL Daiane Freitas Rivera, irmã de Bernardo.

Ainda segundo Daiane, o menino testou positivo para a covid-19 na quinta-feira (4). Na manhã de terça-feira (9), começou a apresentar sintomas da doença e foi internado no Pronto-Socorro da cidade. No dia seguinte, Bernardo não resistiu e morreu.

“Tomamos todos os cuidados possíveis, mas essa doença entrou de forma repentina na nossa família. Ninguém entrava em casa com sapatos, todos tomávamos banho antes de ingressar na casa, não recebíamos visitas, mas infelizmente nada adiantou”, afirmou Daiane.

“O Bernardo foi um guerreiro, foi muito forte e nunca desistiu da vida”, acrescenta a irmã.

A mãe e o pai de Bernardo também testaram positivo para a doença, além de outros dois familiares. No mês passado, um tio do menino morreu em decorrência de complicações da Covid-19.

Bernardo é filho de José Rivera, que é vereador no município. A prefeitura de Alumínio decretou luto oficial de três dias pela morte da criança.

Casos de Covid-19

De acordo com a Secretaria de Saúde Municipal, a cidade de Alumínio, com pouco mais de 18 mil habitantes, registrou até o momento 22 mortes pelo coronavírus e 726 casos confirmados da doença.



UOL

Nenhum comentário: