Últimas Notícias

Veja as Manchetes!

domingo, 7 de abril de 2019

Bolsonaro: ‘Não vou perder tempo para comentar pesquisa do Datafolha’

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (7) que não vai "perder tempo" em se manifestar sobre a pesquisa do Datafolha que registra a pior avaliação após três meses de governo entre os presidentes eleitos para um primeiro mandato desde a redemocratização de 1985.

"Datafolha? Não vou perder tempo para comentar pesquisa do Datafolha, que diz que eu ia perder para todo mundo no segundo turno", afirmou Bolsonaro, ao ser questionado pela reportagem da Folha na saída do Palácio do Alvorada.

"Tem um item lá de que Lula e Dilma são mais inteligentes do que eu. Valeu, Datafolha", disse o presidente, que compartilhou em redes sociais uma foto de gráficos da pesquisa, publicada na edição deste domingo da Folha.

Bolsonaro se refere ao dado da imagem do presidente. Segundo a pesquisa, 58% dos entrevistados consideram o capitão reformado muito inteligente, ante 39% que o consideram pouco inteligente.
A comparação com os ex-presidentes petistas Lula e Dilma Rousseff também se refere ao período equivalente, ou seja, os três primeiros meses do primeiro mandato de cada um.
Na pesquisa realizada em 31 de março e 1ª de abril de 2003, 69% dos entrevistados consideravam Lula muito inteligente, e 24%, pouco inteligente.
O levantamento de 15 e 16 de março de 2011, no início do primeiro mandato de Dilma, apontou que 85% dos entrevistados consideravam a então presidente muito inteligente, e 9%, pouco inteligente.
A pesquisa Datafolha divulgada neste domingo aponta que 30% dos brasileiros consideram o governo de Bolsonaro ruim ou péssimo, índice semelhante ao daqueles que consideram ótimo ou bom (32%) ou regular (33%). Não souberam opinar 4% dos entrevistados.
Para 61% dos ouvidos, Bolsonaro fez menos do que se esperava no exercício do cargo. Já 13% consideram que ele fez mais, enquanto 22% avaliam que ele fez o que era esperado. Entre os descontentes, a predominam pessoas mais pobres e menos escolarizadas.
Nessa comparação, ele também perde para os primeiros mandatos de Lula e de Dilma, que tiveram o mesmo tipo de mensuração pelo Datafolha. Em 2003, o petista fez menos do que poderia para 45%, e em 2011 a ex-presidente pontuou 39% no quesito.
O instituto ouviu 2.086 pessoas com mais de 16 anos em 130 municípios nos dias 2 e 3 de abril. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.
No Palácio do Planalto, o desempenho negativo de Bolsonaro foi atribuído a dois fatores. O primeiro deles à alta expectativa da população sobre uma recuperação econômica, que ainda não foi alcançada e pode ter causado frustração.
O segundo deles aos problemas de comunicação da Presidência da República, que tem apresentado dificuldades em estabelecer uma pauta positiva e divulgar iniciativas do início do mandato.
No período dos cem dias, na avaliação de um assessor palaciano, as polêmicas criadas pelo presidnete, sobretudo nas redes sociais, tiveram mais repercussão que medidas como o pacote anticrime e o combate às fraudes nos benefícios do INSS.
Para tentar superar a deficiência, Bolsonaro anunciou que a Secom (Secretaria de Comunicação Social) passará a ser comandada a partir desta segunda-feira (8) pelo publicitário Fábio Wajngarten, que o ajudou na campanha presidencial.
Na quinta-feira (11), o presidente fará um evento, no Palácio do Planalto, para divulgar o que foi feito nos três primeiros meses, em um esforço para melhorar a avaliação pública sobre o início do mandato.
Para o líder do DEM na Câmara dos Deputados, Elmar Nascimento (BA), o resultado negativo deve-se a uma manutenção pelo presidente do discurso adotado na campanha eleitoral.
"Ao invés de assumir um governo para todos, para quem votou com ele e para quem não votou, ele continua a adotar o tom de campanha, o do nós contra eles. Você mantém a rejeição de um eleitorado que votou em outro candidato", disse.
O presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, considera que o desempenho do presidente reflete o resultado da postura adotada por ele até o momento à frente do Palácio do Planalto.
"O governo ficou praticamente três meses tuitando e não cuidou de temas essenciais que eram esperados pela população", afirmou.
A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, disse que a pesquisa demonstra que a população percebeu que Bolsonaro "não serve mesmo para ser presidente" e que sua rejeição tende a aumentar.
"A pesquisa confirma a decepção do povo brasileiro, especialmente os mais pobres e os trabalhadores, com um governo que nada fez de bom para o país", afirmou.
Em defesa de do presidente, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), acredita que os indicadores de avaliação devem melhorar após a aprovação da reforma previdenciária.
"O governo tem uma agenda, como a reforma da Previdência, que cria resistência em setores da sociedade porque acaba com privilégios. Aprovada a Previdência, haverá uma agenda positiva que vai melhorar os indicadores", afirmou.
O presidente participou neste domingo (7), na capital federal, de um almoço com amigos da época da escola militar, que se conhecem desde 1974. Na saída, ele disse que o seu governo não tem tanta "notícia ruim" como a imprensa publica.
Nas eleições passadas, as pesquisas do Datafolha mostraram Bolsonaro na liderança no primeiro e, depois, no segundo turno.
Na véspera da primeira votação, por exemplo, o instituto informou que o hoje presidente alcançava 40% das intenções dos votos válidos, enquanto o ex-prefeito Fernando Haddad (PT), seu adversário direto na disputa, 25%.
A um dia do segundo turno, realizado em 28 de outubro, o Datafolha mostrou que Bolsonaro era favorito com 55% das intenções de votos válidos e vantagem de 10 pontos percentuais sobre Haddad.

Por Ricardo Della Coletta e Gustavo Uribe

Comente aqui com o Facebook: