Últimas Notícias

Veja as Manchetes!

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Revista divulga depoimento do agressor de Jair Bolsonaro à PF; Conheça um esse agressor

A revista “Veja” publicou em seu site, nesta sexta-feira (12), trechos da reportagem que estará na edição impressa da próxima quarta (17) em que teve acesso a um depoimento inédito em vídeo prestado por Adélio Bispo de Oliveira à Polícia Federal.

Adélio atacou o candidato do PSL com uma facada em 6 de setembro, durante campanha em Minas Gerais. Abaixo, veja algumas explicações que o agressor de Bolsonaro deu à PF, que foram divulgadas pela “Veja”, sobre o atentado.


MOTIVO DO ATENTADO

“Por divergências ideológicas e respondendo às ameaças que ele tem feito, pelas ideologias que ele acredita, por ameaças de morte… contra pessoas que têm ideologias diferentes das dele. Dos muitos discursos. Discursos racistas, quando fala de negros, quando fala de quilombolas. Tem muita coisa. Tem discursos antissemitas. A gente já ouviu o discurso dele. Discursos contra o povo árabe, basicamente como se todos fossem terroristas, como se o Brasil não pudesse ter relacionamento com o povo árabe, enquanto temos um árabe governando o país, um libanês (refere-se a Michel Temer).”

O PLANEJAMENTO

“A responsabilidade é inteiramente minha, de mais ninguém. (…) Me veio à cabeça. Quando vi nos jornais que ele estaria (em Juiz de Fora). Dois, três dias antes, eu acho. Nem acreditei. Já estava em cima. Resolvi jogar na loteria, digamos assim. Talvez eu conseguisse, talvez eu não conseguisse (atacar Bolsonaro).”

EM NOME DA RELIGIÃO

“Essa é a segunda razão pela qual eu fiz. Esse bom Deus, esse meu Deus que me ordenou a fazer. O Bolsonaro… Ele é um impostor. É meio cristão, mas não é cristão… Está tentando puxar o público evangélico, recrutar os evangélicos para ser o presidente da República, mas ele é um impostor infiltrado pela maçonaria no meio protestante. Ele não tem nada… Basta fazer uma pergunta para ele em relação à Bíblia.”

A ARMA DO CRIME

“Parte de um jogo que comprei, para uso doméstico. Tentei levá-la comigo (refere-se à faca), escondida no corpo, escondida na roupa. Tava enrolada num papel de jornal.”

NA HORA H

“Um pouco antes, sim (refere-se ao fato de ter ouvido vozes), mas teve um momento que eu quase desisti porque achei que seria impossível a aproximação. Era impossível se aproximar. Quase desisti.” (Fonte: Minuto a Minuto)

*********************************************************
Vamos Saber um pouco esse agressor:

Adélio Bispo de Oliveira, acusado de esfaquear o candidato Jair Bolsonaro (PSL) em Juiz de Fora (MG), é filiado ao PT e coordena campanha de Dilma na cidade.

Em meio a já conturbada campanha eleitoral, uma notícia caiu como uma bomba. O atentado ao candidato Jair Bolsonaro (PSL) na cidade de Juiz de Fora (MG) gerou uma comoção nas pessoas. Em meio a tentativas de tentar entender o que aconteceu, o que não faltou foi informação falsa surgindo na internet. Vamos desmentir a primeira delas aqui.

Circula na internet a informação de que Adélio Bispo de Oliveira, homem suspeito de esfaquear Bolsonaro, é filiado ao PT e responsável pela campanha de Dilma Rousseff (que concorre ao senado em Minas Gerais pelo PT) na cidade de Juiz de Fora. Uma “biografia” dele surgiu na web. Leia:

Adélio Bispo de Oliveira é o nome do petista que tentou matar Jair Bolsonaro hoje em Juiz de Fora. Ele é filiado ao Partido dos Trabalhadores. É natural de Montes Claros, formado na Universidade Federal de Viçosa em Pedagogia! É militante do PT, responsável pela campanha de Dilma Rousseff em Juiz de Fora. Preso em flagrante!

Adélio Bispo de Oliveira, homem que tentou matar Bolsonaro, é filiado ao PT?
A tal tese está se espalhando com muita força em redes sociais. Porém, a informação que aponta que Adélio Bispo de Oliveira, o homem acusado pelo atentado, é filiado ao PT e ligado à campanha de Dilma não procede. Vamos explicar tudo aqui.

Primeiro ponto: a mensagem (assim como em tantos outros casos impactantes) “brotou na internet” carregando consigo as principais características de boatos (enquanto vocês não gravarem isso, vamos continuar batendo nessa tecla): é vaga, alarmista e não cita fontes confiáveis. Logo, a informação não mereceria ser compartilhada sem uma checagem mais acurada.

Há três pontos reais na informação. O primeiro deles é que o suspeito de esfaquear Bolsonaro se chama, de fato, Adélio Bispo de Oliveira (algumas informações falsas que circulavam online apontavam que o homem seria um filiado do PDT chamado José Adélio Bispo de Oliveira). A segunda é que ele foi preso em flagrante. A terceira é que ele é de Montes Claros.

A mensagem também tem alguns pontos controversos. Não encontramos nenhum registro de que ele tenha se formado em pedagogia pela Universidade Federal de Viçosa. Apesar de a Polícia Militar ter apontado que ele “tem curso superior”, Adelio estava trabalhando como servente de pedreiro e não há qualquer registro que liga ele ao curso de pedagogia da Universidade Federal de Viçosa.

Agora tem pontos completamente falsos. O principal é que ele não é filiado ao PT (ou a qualquer outro partido) no momento. Fizemos uma busca no TSE (para fazer a busca, você terá acessar o link, colocar PT, Minas Gerais e baixar um arquivo Excel. Depois você tenta localizar por Adélio no documento e vai ver que não há nada) pelo nome de Adélio Bispo de Oliveira entre filiados do PT em Minas Gerais e nada encontramos.

O homem acusado de tentar matar Bolsonaro foi, de fato, filiado ao PSOL durante 7 anos. Na mesma busca por registros de filiados do PSOL no TSE (seguindo os passos citados no parágrafo anterior), descobrimos que Adélio Bispo de Oliveira se filiou ao PSOL em Uberaba (MG) em 06/05/2007 e teve o registro cancelado (ao seu pedido) em 29/12/2014.

Para terminar: além de o fato de ele não ser filiado ao PT reforçar que ele não é responsável pela campanha de Dilma em Juiz de Fora (MG), não há qualquer informação que endosse isso. Ao analisar as redes sociais de Adélio, não encontramos nenhum material de campanha pró-Dilma. Apenas aqueles “velhos e péssimos” posts que ajudam a acirrar o ódio entre direita e esquerda e que andam tão populares (e geram muito conteúdo por aqui).

Resumindo: a história que aponta que Adélio Bispo de Oliveira, homem que tentou matar o candidato Jair Bolsonaro (PSL), é filiado ao PT não procede. Não passa de um boato (com certeza não o último que vamos tratar) repercutindo o atentado a Bolsonaro.

PS: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema para o Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, no Facebook e WhatsApp no telefone (61) 991779164.

*********************************************************

“Adélio Bispo de Oliveira para Lula Presidente 2018”

Antes de tentar assassinar Jair Bolsonaro, Adélio Bispo manifestou apoio à candidatura de Lula.

Ele publicou um comentário intitulado “Adélio Bispo de Oliveira para Lula Presidente 2018” na página Lula Oficial, do Facebook.

O comentário, segundo a Veja, dizia:

“Se estão tentando barrar sua candidatura, claro que é porque sabem dos riscos de se perder o poder em uma disputa democrática.” (Fonte: www.oantagonista.com)

Comente aqui com o Facebook: