Últimas Notícias

Veja as Manchetes!

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Haddad fala em Deus pela primeira vez na TV e ataca Bolsonaro

O candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad, citou Deus pela primeira vez desde o início da propaganda eleitoral. No último dia do horário eleitoral, o petista encerrou sua fala na peça que foi ao ar nesta quinta-feira com a frase "que Deus abençoe a todos".

Haddad estudou Karl Marx (1818 -1883), filósofo alemão que definia a religião como o "ópio do povo". O ex-prefeito de São Paulo considera-se um pós-marxista, mas nunca falou claramente se é ateu ou não.

O recurso a Deus é uma tentativa de neutralizar a declaração de alguns dos principais líderes evangélicos do país de apoio a Jair Bolsonaro, líder nas pesquisas. O bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, foi uma dos líderes evangélicos a dizer que vai votar no capitão reformado na eleição do dia 7 de outubro.

Entre evangélicos, Bolsonaro alcança 40% das intenções de voto, segundo o Datafolha, enquanto Haddad fica em 15%. Entre católicos, a diferença é menor. O capitão reformado tem 29% contra 25% do petista. 

No último dia do horário eleitoral no primeiro turno, o programa do PT também atacou pela primeira vez Bolsonaro, líder nas pesquisas. Até esta quinta, os petistas não tinham citado o nome do capitão reformado nas propagandas da TV, que começaram no dia 31 de agosto.

Os petistas planejavam iniciar os ataques ao candidato do PSL no segundo turno. Bolsonaro, com 32% dos votos, e Haddad, 21%, lideram a pesquisa de intenções, segundo o Datafolha.  

O crescimento de Bolsonaro fez o PT mudar a estratégia e antecipar o ataque ao candidato do PSL. A propaganda do PT lembra a atuação de Bolsonaro como deputado federal. 

"[Bolsonaro] foi o único deputado que votou contra o fundo de combate à pobreza. Votou contra a valorização do salário mínimo. Mas quando foi para aumentar o próprio salário, ele votou a favor. Não vote em quem sempre votou contra você. Bolsonaro não", disse a propaganda petista.



Por Mario Cesar Carvalho do Folha de São Paulo

Comente aqui com o Facebook: