Últimas Notícias

Veja as Manchetes!

domingo, 1 de julho de 2018

Mulher é morta asfixiada após olhar celular do namorado, na Paraíba

Um vendedor de 26 anos foi preso suspeito de ter matado asfixiada a namorada dele de 31 anos e enterrado o corpo dela na cidade de Patos, no Sertão paraibano. O crime aconteceu na última terça-feira (26), mas só foi descoberto nesta sexta-feira (29). 

Segundo a Polícia Civil, o crime ocorreu durante uma briga, depois que a vítima teria visto contatos de mulheres numa rede social do suspeito. 
Segundo Polícia Civil, crime aconteceu dentro de apartamento no bairro Juá Doce, em Patos, na Paraíba (Foto: Ronis Fernandes/Polícia Civil)

O caso está sendo tratado como feminicídio. A Polícia Civil divulgou os detalhes da investigação neste sábado (30).


Segundo o delegado da Polícia Civil, Ronis Feitosa, o suspeito Kelvy Ubiraci Gomes de Vasconcelos assumiu a autoria do crime enquanto estava sendo interrogado. Ele foi preso na sexta-feira, por força de um mandado de prisão preventiva expedido pela comarca de Patos. Além do namorado da vítima, um tio dele, Alan Gomes Alves, 24 anos, também foi preso suspeito de ajudar Kelvy a ocultar o cadáver da namorada.

Desaparecimento

A família de Valéria havia feito um boletim de ocorrência, depois de perceber o desaparecimento dela na quarta-feira (27). O corpo da mulher estava enterrado no leito de um rio seco, no sítio Martins, que fica na zona rural de Patos, a cerca de 12 quilômetros da área urbana.

De acordo com a investigação da Polícia Civil, na segunda-feira (25) a noite, Valéria saiu com vizinhos para o culto religioso e depois voltou para casa. Na terça-feira (26) pela manhã, por volta das 7h ela teve uma discussão com o namorado, dentro do apartamento onde eles estavam morando, no bairro Juá Doce, em Patos.

“No início da investigação, o namorado havia dito que ela saiu de casa na terça-feira de manhã. Mas, os agentes de investigação perceberam uma divergência na versão que ele havia relatado a família da vítima. Depois ele acabou confessando o crime”, disse o delegado Ronis Feitosa.

A briga
Segundo o delegado, o suspeito contou que a briga começou na cozinha, depois que a namorada teria visto contatos de mulheres numa rede social dele. O casal tem uma filha de 5 anos de idade, que estava dormindo no quarto, no momento do crime. O casal é de Campina Grande e se mudou para Patos neste mês de junho, depois que Kelvy foi transferido na empresa onde trabalha. Valéria também havia conseguido um emprego em um restaurante da cidade.

“Ele disse que eles começaram a discutir depois que ela viu o celular dela e que Valéria teria dito que iria sair de casa com a filha e iria para a casa da sogra, na zona rural de Patos. Nesse momento eles começaram a brigar e quando a mulher caiu no chão, Kelvy disse que deu um “mata-leão” – golpe de jiu-jitsu – nela, matando a namorada asfixiada.

Ocultação

O crime ocorreu por volta das 7h da terça-feira e ainda na mesma manhã o corpo foi ocultado. Kelvy teria contado com a ajuda de um tio para levar o corpo até o local onde foi enterrado. Segundo o delegado, os dois suspeitos colocaram o corpo da vítima dentro de um tonel de plástico, usado para armazenar lavagem para porcos. Eles usaram uma carroça de tração animal para levar o corpo dentro do tonel até o sítio Martins. Depois eles tiraram o corpo do tonel e enterraram no leito do rio.

“O próprio Kelvy indicou o local onde o corpo estava. Quando o corpo foi encontrado, ele disse que teria feito tudo sozinho, mas o local era de difícil acesso e ao ser questionado, ele acabou confessando que o tio teria ajudado ele a enterrar a namorada”, disse o delegado.

Prisões

Kelvy foi preso nesta sexta-feira quando estava trabalhando, no bairro Novo Horizonte. O tio dele também foi preso. Os dois estão no presídio Romero Nóbrega, na cidade de Patos.

O pedido de prisão na justiça foi feito depois que a Polícia Civil realizou uma perícia no apartamento do casal entre a noite da quinta-feira e madrugada da sexta-feira, onde foram encontrados vestígios de sangue. “Ele havia dito que não houve luta corporal, mas quando colocamos uma substância, os vestígios de sangue apareceram. Ele já havia lavado o apartamento”, disse o delegado.

Depois que o corpo da vítima foi encontrado, ele foi encaminhado para o Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol) de Patos e depois transferido para o Numol de Campina Grande, para realização de exames e confrontos de DNA.

Feminicídio

O delegado explica que o suspeito foi indiciado pelo crime de femínicídio, tendo em vista que foi motivado por motivo fútil, se enquadrando a lei. Segundo o artigo 121 do Código Penal, feminicídio se aplica quando o crime é praticado “contra a mulher por razões da condição de sexo feminino, considera-se que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve: violência doméstica e familiar ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher”.

Filha fica com avó

A filha do casal, que tem 5 anos de idade, foi encaminhada para a casa da avó materna, por meio do Conselho Tutelar. A avó paterna também havia informado interesse de ficar com a criança.

Linha do tempo (segundo Polícia Civil)

Segunda-feira (25): Valéria foi vista pela última vez pelos vizinhos, depois de ter ido para um culto religioso a noite.

Terça-feira (26): Por volta das 7h o casal teve uma briga, depois que Valéria viu contados de mulheres no celular de Kelvy. Ele teria matado ela asfixiada com um golpe de jiu-jitsu. Ainda pela manhã, Kelvy pediu ajuda do tio e colocou o corpo da namorada em um tonel de plástico e levou para enterrar na zona rural. Eles usaram um carroça para o transporte do corpo.

Quarta-feira (27): Família percebeu o desaparecimento de Valéria e entrou em contato com Kalvy. Durante a tarde, a família procurou a Polícia Civil em Campina Grande para fazer um boletim de ocorrência pelo desaparecimento.

Quinta-feira (28): A família da vítima foi até a cidade de Patos prestar depoimento na delegacia. Kelvy foi intimado e compareceu a delegacia na presença de um advogado. Depois das divergências, a Polícia Civil fez uma perícia no apartamento e descobriu sangue.

Sexta-feira (29): Ainda na madrugada as equipes continuavam no apartamento. Pela manhã a Polícia Civil pediu a prisão de Kelvy na justiça. O suspeito e o tio foram presos e levados para o presídio Romero Nóbrega.



Da Redação com G1

Comente aqui com o Facebook: