Últimas Notícias

Veja as Manchetes!

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Garota de 19 anos que pratica automutilação pede ajuda em Conceição, no Sertão da Paraíba

O sofrimento da senhora Maria Neuma Vitorino, chamou a atenção da reportagem, ela sofre com o drama da sua filha, Daiane Ferreira Vitorino, 19 anos de idade, que pratica automutilação.

O problema expõe o drama da família, que vive em situação de vulnerabilidade social. A família reside no bairro Nossa Senhora de Fátima, na cidade de Conceição.

A jovem explicou que tem vontade de morrer, por acreditar que ‘quem morre voltará’. Segundo ela, já tomou muitos remédios para tentar morrer.
Daiane explicou que já frequentou o Centro de Atenção Psicossocial – CAPS, mas no momento está precisando de muita ajuda, para parar com a automutilação. 

“O que eu mais preciso é de ajuda, porque eu tenho vontade de parar com isso, de querer se matar. Muitas vozes: ‘Daiane se mate. Você vai para um canto melhor, lá tem área de lazer menina’”, explicou a jovem.


A primeira automutilação da jovem aconteceu quando ela tinha 9 anos de idade. De lá para cá foram muitas as vezes em que ela praticou o ato de automutilação, conforme ela explicou a reportagem.

“Eu quero me internar, pra ver se sai essas vozes de mim. Pra ver se quando eu saísse de lá me tornasse uma pessoa boa, porque eu penso assim: ‘se eu me tornar uma pessoa boa eu vou ajudar a minha família, cuidar do meu filho’”, apelou emocionada a jovem Daiane.

Perguntada sobre que tipo de ajuda precisa, a jovem foi taxativa ao afirmar, que precisa se internar em uma clínica, pois segundo ela, só assim ‘irá parar de pensar bobagens’. “ Eu quero trabalhar cuidar da minha filha, ajudar a minha mãe. É isso que eu quero”, finalizou.

A reportagem conversou com a mãe de Daiane Vitorino e ouviu um apelo emocionante: “Desde os quatro anos de idade dela, que eu comecei a perceber que ela não era normal. Eu tentei me enganar de que era normal. Eu então procurei os médicos e eles confirmaram que ela não era normal. Eu relutei para acreditar, mas cai na real e vi que a minha filha não era normal”, explicou a mãe,

Emocionada, a mãe faz um apelo por ajuda para interna sua filha em um centro de tratamento e chora, num sinal cabal de desespero pela situação que sua filha vem passando.

Para a psicóloga Maysa Fadja, que atua em Conceição, pessoas com esse tipo de comportamento, ‘não querem chamar a atenção. O que elas estão precisando é de atenção’. Segundo a profissional por detrás desse tipo de comportamento sempre existe um sofrimento psíquico. “Ninguém vai se cortar á toa, só porque quer chamar a atenção”, pontuou a psicóloga, que concluiu: “Essas pessoas que praticam automutilação o fazem para amenizar a dor emocional. Quanto mais a extremidade da emoção dela, quanto mais a dor, devido ao problema que está passando, devido ao trauma que ela já passou, ela acaba se cortando, que é o que elas dizem: ‘eu me corto, que é pra diminuir a minha dor emocional’”.

O Secretário de Ação Social do município, Leandro Benício explicou que a secretaria faz um levantamento, através do Cras, que trabalha em parceria com o Caps, para chegar nessas pessoas com esse tipo de comportamento. Com a planilha de levantamento em mãos a secretaria atua com a participação do Assistente Social e do Psicólogo, para em seguida enviar o paciente para ser acompanhado pelo psiquiatra. (Reportagem de Gilberto Angelo).


Automutilação afeta 20% dos jovens brasileiros

A automutilação é um problema silencioso, que atinge muitos adolescentes no Brasil e no mundo. 20% dos jovens brasileiros se mutilam, um problema que já os afeta mais do que as drogas, e que o bullying nas escolas é um dos principais causadores desse problema.

O Brasil não tem estatísticas oficiais, mas todos os estudos internacionais chegam ao mesmo número e indicam que 20% dos jovens sofre desse mal. E é com esse número que os ambulatórios de adolescentes do Hospital das Clínicas de São Paulo e do Hospital Universitário de Brasília, visitados pela reportagem, trabalham.

Comente aqui com o Facebook: