Últimas Notícias

Veja as Manchetes!

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Lava Jato em asfixia

São evidentes os sinais do grande esforço da classe política para esvaziar, sufocar e, finalmente, matar a operação Lava Jato, o maior símbolo de avanço contra a corrupção nos últimos tempos da história do Brasil.

O patrocínio principal hoje em dia é do Governo Michel Temer. Começou com a movimentação para afastar o procurador Rodrigo Janot e nomear uma procuradora mais crítica ao modelo anterior.


Agora, o tiro da mudança no comando da Polícia Federal, com o presidente acatando um nome para a instituição fruto da sugestão do ex-presidente José Sarney.

Passos que são explicados e, certamente, resultados daquelas conversas gravadas do então ministro Romero Jucá, para quem era preciso “estancar a sangria”.

Aécio Neves, do PSDB, também foi flagrado em grampo autorizado com a célebre frase: “É agora ou nunca”, quando articulava movimento no Legislativo para conter a Operação, da qual mais tarde seria alvo.

Há um grande consenso na classe política, sobretudo, a implicada, para barrar a Lava Jato. Malandragem que era reivindicada antes por figurões do PT, inclusive o próprio Lula, e que não avançou dada a fragilidade do Governo Dilma e a vigilância da opinião pública.

Mas, sob as rédeas de Temer, o Governo tem sido mais competente na asfixia. Com o endosso e aval desesperado dos investigados que sangram à beira de uma nova eleição.



Por Heron Cid

Comente aqui com o Facebook: