Últimas Notícias

Veja as Manchetes!

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Ricardo diz que João Azevedo está preparado e ironiza adversários

O governador Ricardo Coutinho (PSB) demonstrou não se incomodar com suposições de adversários de que o seu pré-candidato ao Governo do Estado, João Azevedo, não ‘decolará’ para concorrer o pleito eleitoral.

Em entrevista ao Portal MaisPB, o socialista foi questionado sobre recentes declarações do senador José Maranhão, o pré-candidato do PMDB, afirmando que o secretário estadual ainda não mostrou desempenho político e talvez não decole.
Maranhão lembrou que chegou Azevedo chegou a ser substituído como candidato a Prefeitura de João Pessoa na eleições 2016.

“Se vai decolar ou não a gente só vai saber na eleição. Se fosse depender de avaliação precipitada eu não estaria dando entrevista a você aqui hoje porque eu não seria governador, não seria prefeito, e provavelmente não seria deputado”, argumentou.

De acordo com Ricardo Coutinho, os adversários têm si dado mal porque acabam menosprezando a força dos concorrentes.

“João Azevedo vai disputar e eu gosto muito quando os adversários menosprezam a nossa capacidade. Comigo sempre foi assim e sempre se deram mal”, afirmou o socialista.

Para Ricardo Coutinho, João Azevedo é o nome mais preparado para governar a Paraíba e que pode consolidar um processo de mudanças no Estado.

“Eu sei onde estou pisando e tenho as antenas muito levantadas. Eu sei como gira hoje o sentimento dentro do Estado. Talvez alguns não tenham percebido as mudanças na consciência crítica no Estado. João Azevedo é, indiscutivelmente, a pessoa mais preparada para governar esse Estado. Quando eu vejo determinadas entrevistas, avaliações dos pretensos candidatos aí, é que eu tenho certeza que esse Estado precisa consolidar esse processo de mudanças que,  se ele não se consolidar, corremos o risco de voltar, ou a era da ineficiência, ou ao retrocesso mais clássico do familismo e das oligarquias dessa coisa que não traz avanços pra ninguém e em canto nenhum”, alegou.






Por Roberto Targino e Albemar Santos

Comente aqui com o Facebook: