Últimas Notícias

Veja as Manchetes!

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Governo federal vai encerrar o abastecimento de água de 12 municípios paraibanos

O governo federal definiu que vai encerrar o abastecimento de água de 12 municípios paraibanos que eram contemplados com a Operação Carro-Pipa, realizada pelo Exército brasileiro. 

A determinação é da Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec) e do Ministério da Integração Nacional (MI) e já pode mudar a realidade dessas localidades a partir do mês que vem.

De acordo com a decisão, as cidades paraibanas estavam incluídas no programa, de maneira equivocada, já que não pertencem à região do semiárido nordestino. No Nordeste, a Operação Carro-Pipa só atende cidades do semiárido. 


A determinação começou a preocupar as populações e os gestores públicos desses locais que vão deixar de receber água da operação. De acordo com Eugênio Alves, coordenador da Defesa Civil de Matinhas, município do Brejo da Paraíba e que está na lista das cidades que não vão mais receber o serviço, a decisão prejudica a maior parte da população do município.

“É muito difícil essa situação. Nós não temos água na cidade. Vivemos a base justamente desse serviço. Aumentamos os pontos de coleta de água na cidade e precisamos desses carros-pipa. Nossa zona rural é muito grande e a maior parte da população está lá. Não temos como abastecer essas pessoas”, disse, preocupado, o gestor. 

Além de Matinhas, as cidades de Joca Claudinho, São Domingos de Pombal, Alagoa Grande, Alagoa Nova, Araçagi, Areia, Belém, Caldas Brandão, Cuité de Mamanguape, Gurinhém, Juarez Távora, Lagoa de Dentro, Pilar, Pilões, Pirpirituba, São Miguel de Taipu, Serra da Raiz, Serra Redonda e São Vicente do Seridó.

As prefeituras desses municípios assinaram um documento em conjunto, que foi enviado ao Ministério da Integração, pedindo a revogação da decisão. Segundo a determinação, o prazo para que essas cidades saiam da rota da Operação Carro-Pipa é de 180 dias, contados a partir do recebimento da notificação pela cidade.



Por Pedro Alves

Comente aqui com o Facebook: