Últimas Notícias

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

PF cumpre mandados nas casas de Joesley e Saud em São Paulo

A Polícia Federal cumpre na manhã desta segunda-feira (11), na capital paulista, quatro mandados de busca e apreensão em imóveis relacionados a Joesley Batista, um dos donos da J&F, e do executivo da empresa Ricardo Saud, presos neste domingo (10).

Policiais deixaram a sede da PF, na Lapa, Zona Oeste da cidade, às 5h para ir a quatro endereços na cidade. Um deles é a casa de Joesley, no Jardim Europa, e o outro, a casa de Saud, no Morumbi, ambos na Zona Sul da cidade.


Agentes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal também estão nas ruas no Rio de Janeiro, na manhã desta segunda para cumprir mandado de busca e apreensão na casa do ex-procurador Marcelo Miller, na Lagoa, Zona Sul da cidade. Um carro da PF e outro do MPF chegaram ao local por volta das 6h.

As ordens de prisão de Joesley e Saud foram encaminhadas para a PF neste sábado (9) e a polícia afirmou que não cumpriu os mandados porque estava "em planejamento operacional" quando os dois manifestaram, por meio de seus advogados, a intenção de se entregar.

Joesley deixou a casa do pai no Jardim Europa às 13h39, na Zona Sul de São Paulo, rumo à Polícia Federal, e Saud, seu apartamento no Morumbi, também na Zona Sul. Na sede da superintendência da PF, manifestantes soltaram fogos de artifício para comemorar as prisões.

Os dois passaram a noite na PF em São Paulo e vão ser transferidos para Brasília nesta segunda-feira (11). As prisões são temporárias, com prazo de cinco dias, e podem ser revertidas para preventivas. Em um áudio, Joesley e Saud chegaram a dizer que não seriam presos.

Após pedido da defesa, o Supremo Tribunal Federal abriu uma exceção e determinou que o exame de corpo de delito dos presos seja realizado somente nesta segunda em Brasília. O memorando foi enviado ao setor de custódia da Polícia Federal em São Paulo no início da noite deste domingo (10).

Em nota, as defesas de Joesley e Saud disseram que "não mentiram nem omitiram informações no processo que levou ao acordo de colaboração premiada e que estão cumprindo o acordo".

"Em todos os processos de colaboração, os colaboradores entregam os anexos e as provas à Procuradoria e depois são chamados a depor. Nesse caso , Joesley Batista e Ricardo Saud ainda não foram ouvidos", diz o texto. (veja nota na íntegra ao final do texto).

O advogado de Joesley, Pierpaolo Bottini, e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, tiveram um encontro em um bar de Brasília, neste sábado (9), segundo o site “O Antagonista”.



Globo

Comente aqui com o Facebook: