Últimas Notícias

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Jovem é agredida por padrasto e denuncia caso na Delegacia, no Sertão da Paraíba

A jovem estudante e estagiária bancária Thallita Ewlin Medeiros de Araújo, 19 anos, residente no Bairro São Sebastião, em Patos no Sertão da Paraíba, que decidiu não se calar diante das agressões sofridas nesta quarta-feira, dia 12, por volta das 22h30, quando ela estava em sua casa e teve início uma discussão com seu padrasto.

Thallita exibiu as marcas do soco que sofreu na boca. 

Ela fez uma postagem na sua rede social Facebook e na tarde desta quinta-feira, dia 13, registrou a agressão na Delegacia de Polícia Civil em busca de justiça diante do caso. 

A jovem relatou que ficou sem reação, pois o acusado tem muita força e a pegou de surpresa.  

O acusado da agressão é o padrasto da vítima, o comerciário Fabrício de Alencar. 

Thallita relatou que o acusado já havia agredido a mãe dela. 

Depois da agressão praticada a sua filha Thallita, a sua mãe terminou o relacionamento com o acusado e se uniu junto à filha em buscar da justiça.

A vítima confessou que está muito abalada e vai buscar medida protetiva para que o acusado não se aproxime dela. A jovem comentou que vem sendo ameaçada e teme que um fato ainda pior aconteça com ela ou sua mãe.

O fato já se tornou um processo na Delegacia de Polícia Civil e será encaminhado para o Fórum Miguel Sátiro para as medidas cabíveis. “Não consigo nem me alimentar devido ao hematoma na minha boca. Está doendo muito! Eu estava em casa com minha irmã de nove anos e ele quando aconteceu isso! Fico me perguntando se isso vai ficar por isso mesmo. Não posso me calar! Minha irmã também está abalada porque ela é criança e viu toda a agressão. Eu estava falando com minha irmã e ele começou a se intrometer. Me gritou e depois me deu um soco que cai ao chão”, desabafou Thallita.

De acordo com relatórios de órgãos de segurança e ligados aos direitos das mulheres, as agressões contra as mulheres crescem assustadoramente no Brasil por motivos diversos. Na maioria dos casos, os agressores são pessoas próximas das vítimas e acontecem dentro de casa, sendo estas físicas ou psicológicas.




Por Jozivan Antero

Comente aqui com o Facebook: